Versículos bíblicos sobre o tempo de Deus

Versículos bíblicos sobre o tempo de Deus

Mas, quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo da lei. (Gálatas: 4.4) Introdução: Esperar o tempo de Deus não é fácil para ninguém, pelo contrário é muito difícil. Porém é necessário, porque não sabemos os planos que o Senhor tem para cada um de nós. Por conta dessa nossa impaciência, muitas vezes nos precipitamos e tomamos decisões completamente contra a Sua vontade. Decisões estas, que nos levam a consequências inimagináveis, simplesmente porque não sabemos de nada. Sendo assim, esperar o “tempo de Deus”, é básico em nosso relacionamento com Deus. Por conta disso, decidimos publicar alguns versículos que tratam desse tema: “tempo de Deus”. Versículos sobre o tempo de Deus no Antigo Testamento: Mas aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças. Voam bem alto como águias, correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam. (Isaías: 40.31) Tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. (Eclesiastes: 3.1) Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade, mesmo assim, este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez. (Eclesiastes: 3.11) O Senhor é bom para com aqueles cuja esperança está nele, para com aqueles que o buscam. (Lamentações: 3.25) Pois a visão aguarda um tempo designado, ela fala do fim e não falhará. Ainda que se demore, espere-a, porque ela certamente virá e não se atrasará. (Habacuque: 2.3) Mais versículos sobre o tempo de Deus no Antigo Testamento: Pois há uma hora certa e, também, uma maneira certa de agir para cada situação. O sofrimento de um homem, no entanto, pesa muito sobre ele. (Eclesiastes: 8.6) De fato, mil anos para ti são como o dia de ontem que passou, como as horas da noite. (Salmos: 90.4) O meu futuro está nas tuas mãos, livra-me dos meus inimigos e daqueles que me perseguem. (Salmos: 31.15) Sara engravidou e deu um filho a Abraão em sua velhice, na época fixada por Deus em sua promessa. (Gênesis: 21.2) Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor. (Salmos: 27.14) Versículos sobre o tema em Atos dos Apóstolos: Ele lhes respondeu: “Não lhes compete saber os tempos ou as datas que o Pai estabeleceu pela sua própria autoridade”. (Atos: 1.7) Versículos sobre o tempo de Deus nas Cartas de Paulo: E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos. (Gálatas: 6.9) “Boa leitura: Versículos bíblicos sobre a paz que vem de Deus”. Versículos sobre o tempo de Deus nas Cartas Gerais: Não se esqueçam disto amados: para o Senhor um dia é como mil anos, e mil anos como um dia. (2 Pedro: 3.8) Queremos que cada um de vocês mostre essa mesma prontidão até o fim, para que tenham a plena certeza da esperança. (Hebreus: 6.11) De modo que vocês não se tornem negligentes, mas imitem aqueles que, por meio da fé e da paciência, recebem a herança prometida. Continue lendo

Fontes da Teologia Sistemática

Fontes da Teologia Sistemática

A teologia cristã é o conjunto de doutrinas que compõem as crenças comuns aos seguidores de Cristo. Tais doutrinas emanam das Escrituras Sagradas em conjunto com a razão, a tradição e a mística (experiência). As Escrituras Não se pode fazer teologia senão com base nas Escrituras Sagradas. Essa é a posição da Igreja cristã a partir da Reforma Protestante. Lutero defendia a tese de Sola Escriptura (a Bíblia é a única regra de fé e conduta para o cristão). Ao longo da história, a Igreja Católica Romana criou dogmas (crenças tidas como certas e absolutas), abandonando gradualmente a utilização das Escrituras Sagradas; isso a distanciou das verdades fundamentais ensinadas pelos apóstolos de Jesus. Qualquer assunto de ordem doutrinária que não leva em consideração as declarações bíblicas deve ser tachado como herético, pois parte de fonte humana e ninguém tem autoridade para isso. As Escrituras (e somente elas) têm autoridade para fornecer as informações necessárias sobre os temas da doutrina cristã. A Razão Deus nos fez seres racionais, e esse é um dos aspectos que nos torna semelhantes a Ele (Gn 1.26). Então, é natural que o homem absorva o conhecimento das questões doutrinárias por meio da razão. Apesar disso, muitos buscam, na fé, algo que os faça sentir, mas não se mostram interessados em compreender. É verdade que a fé inclui também as emoções, mas não se estriba nelas. “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas” (Jr 17.9). Por outro lado, somos exortados a usar a razão para darmos explicação da nossa fé: “antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (1 Pe 3.15). A mente humana está sempre ávida por compreender o sagrado e nunca está satisfeita com o que sabe, sempre quer mais. Essa sede por compreender é saudável à medida que coloca o homem no caminho do aprendizado; porém, torna-se perigosa quando entra pelo caminho da especulação. Por exemplo, o homem pode ter conhecimento dos atributos de Deus, mas não pode compreender Sua mente. Não temos capacidade para entender a relação entre a onisciência divina (pela qual Ele sabe sobre tragédias futuras) e a Sua bondade (por intermédio da qual poderia evitar tais tragédias). Um assunto não tira o lugar do outro. Deus não pode ser comparado ao homem que ou é uma coisa ou é outra – ou pode uma coisa ou pode somente outra. “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o Senhor. Porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos” (Is 55.8,9). Desse modo, cabe ressaltar que a razão deve trabalhar no sentido de elaborar a doutrina a partir da revelação (as Escrituras Sagradas) em conjunto com a revelação natural, Continue lendo

Versículos bíblicos sobre transformação de vida

Versículos bíblicos sobre transformação de vida

Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Romanos: 12.2) Introdução: Todos nós ansiamos por uma transformação em nossas vidas. Entretanto, o que não percebemos é que ela é possível, está a nosso dispor. Porém, para que isso aconteça, é necessário que tomemos a maior decisão de nossas vidas. A decisão de aceitar Jesus como Salvador e Senhor. A partir desse ato, passaremos a viver um novo tempo, perto do Senhor. A decisão é de cada um de nós, o Senhor não fará isso por nós, mas a Sua promessa sempre estará de pé. Sendo assim, decidimos publicar alguns versículos que tratam desse tema: “transformação”. Versículos bíblicos de transformação de vida no Antigo Testamento: Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro de mim um espírito estável. (Salmos: 51.10) Não me expulses da tua presença, nem tires de mim o teu Santo Espírito. (Salmos: 51.11) Devolve-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito pronto a obedecer. (Salmos: 51.12) Versículos sobre transformação nos Evangelhos: Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus”. (Mateus: 5.16) Versículos bíblicos sobre o tema em Atos dos Apóstolos: Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”. (Atos: 1.8) Versículos de transformação de vida nas Cartas de Paulo: E todos nós, que com a face descoberta contemplamos a glória do Senhor, segundo a sua imagem estamos sendo transformados com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito. (2 Coríntios: 3.18) Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados. (1 Coríntios: 15.51) Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta, porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. (1 Coríntios: 15.52) Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor. (2 Coríntios: 3.18) Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. (Efésios: 4.29) Não por causa de atos de justiça por nós praticados, mas devido à sua misericórdia, ele nos salvou pelo lavar regenerador e renovador do Espírito Santo. (Tito: 3.5) Versículos de transformação de vida nas Cartas Gerais: Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça. (1 João: 1.9) Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que havemos de ser, mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, pois Continue lendo

Antropologia Teológica

Antropologia Teológica

Antropologia é o estudo ou a ciência do homem. Estudá-la na perspectiva teológica não é o mesmo que estudá-la na perspectiva científica. O estudo antropológico no campo das ciências ignora completamente tudo o que a Bíblia diz sobre o homem, a começar pela sua origem. Para as ciências biológicas e humanas o homem é visto como uma animal racional que vive em sociedade. Para a antropologia bíblico-teológica o homem é um ser criado por Deus, possuindo características que o tornam semelhante ao seu Criador tendo, portanto, uma conduta que requer dele prestação de contas por seus atos. Enquanto, para as ciências, a religiosidade inerente do homem é mero reflexo das suas emoções, para a antropologia teológica ela é sintomática, porque espelha uma relação existente desde o homem primevo com o Criador, a qual não pode ser ignorada. Enquanto a antropologia extrabíblica não vê nenhum propósito na existência humana, a antropologia teológica compreende haver uma razão altamente relevante: a glória de Deus. Para a antropologia extrabíblica, o homem, os animais e a vida, em si, são mero fruto do acaso; para a antropologia teológica, o que é, não poderia não ser, porque cumpre propósitos eternos nos planos supremos de Deus, conforme se depreende da revelação que se espraia por toda a Bíblia. O que há de comum entre a antropologia como ciência e a antropologia teológica é que ambas se ocupam em entender quem é o homem e o que ele faz. No campo das ciências, a biologia está interessada em estudar o homem geneticamente e compará-lo às demais espécies animais; a psicologia está interessada em conhecê-lo em sua conduta relacional; a sociologia está interessada em conhecê-lo na sua história, desenvolvimento cultural, tecnológico e social nos diferentes grupos étnicos. No campo teológico, a antropologia está interessada em estudar o ser criado à imagem e semelhança de Deus, seu tempo de pureza moral, sua queda pelo pecado, seu comportamento depois de caído e seu interesse em buscar ou não a Deus e recuperar seu antigo status perdido no jardim do Éden. A antropologia teológica ocupa-se de estudar o homem não apenas como ser humano, mas como um ser eterno; sua grandeza em relação ao universo a ponto de haver mobilizado o Céu, quando o Criador enviou Seu Filho Unigênito à Terra para ter com o homem e se apresentar a ele como alguém capaz de recuperá-lo à condição original, perdida no Éden, assim que desobedecera a Deus. Não obstantes as diferenças encontradas nos pressupostos das ciências e os da Bíblia, não podemos e não devemos menosprezar as ciências, porque os cientistas são ministros de Deus em favor da terra e dos homens. As discordâncias que há em relação à origem e a queda do homem, decorrem de fatores de razão e de fé, para os quais, os que se atêm à revelação bíblica, o entendimento sobre o homem toma um rumo que não pode ser explicado, de começo ao fim, senão pelas Escrituras Sagradas. E, uma vez que se toma esse caminho Continue lendo

Versículos bíblicos para fazer devocional

Versículos bíblicos para fazer devocional

Clame a mim e eu responderei e lhe direi coisas grandiosas e insondáveis que você não conhece. (Jeremias: 33.3) Introdução: Devocional é o período de tempo que uma pessoa separa para se dedicar a Deus. Através da oração, da leitura da Palavra de Deus, da reflexão, o crente busca uma aproximação maior com o Senhor. Esse período de tempo é definido pela própria pessoa, mas a finalidade é ter mais comunhão com Deus. Sendo assim, decidimos publicar alguns versículos para estimular a você, que está lendo esse texto, a fazer o seu devocional. Versículos para devocional no Antigo Testamento: Andem sempre pelo caminho que o Senhor, o seu Deus, lhes ordenou, para que tenham vida, tudo lhes vá bem e os seus dias se prolonguem na terra da qual tomarão posse. (Deuteronômio: 5.33) O Senhor é misericordioso e compassivo, paciente e transbordante de amor. (Salmos: 145.8) Descanse no Senhor e aguarde por ele com paciência, não se aborreça com o sucesso dos outros, nem com aqueles que maquinam o mal. (Salmos: 37.7) Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor. (Salmos: 27.14) Eu ouvirei o que Deus, o Senhor, disse: Ele promete paz ao seu povo, aos seus fiéis! Não voltem eles à insensatez! (Salmos: 85.8) Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra. (2 Crônicas: 7.14) Consagre ao Senhor tudo o que você faz, e os seus planos serão bem-sucedidos. (Provérbios: 16.3) Versículos para devocional nos Evangelhos: Não julguem, e vocês não serão julgados. Não condenem, e não serão condenados. Perdoem, e serão perdoados. (Lucas: 6.37) Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. (Mateus: 6.14) Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas”. (Mateus: 6.15) Deixo-lhes a paz, a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbem os seus corações, nem tenham medo. (João: 14.27) Versículos para devocional nas Cartas de Paulo: Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens. (Colossenses: 3.23) Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade. (1 Tessalonicenses: 4.7) Não só isso, mas também nos gloriamos nas tribulações, porque sabemos que a tribulação produz perseverança. (Romanos: 5.3) A perseverança, um caráter aprovado; e o caráter aprovado, esperança. (Romanos: 5.4) Todavia, como está escrito: “Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam”. (1 Coríntios: 2.9) Mas Deus o revelou a nós por meio do Espírito. O Espírito sonda todas as coisas, até mesmo as coisas mais profundas de Deus. (1 Coríntios: 2.10) Versículos sobre o tema nas Cartas Gerais: Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor. (Hebreus: 12.14) Se confessarmos Continue lendo

Regras fundamentais para a correção textual competente

Regras fundamentais para a correção textual competente

Tendo percorrido toda a extensão das linhas mestras gerais que nos ensinam a discernir a melhor alternativa de texto, com base em sete cânones, chegamos agora a um resumo conclusivo que aparece no excelente livro de Ernst Würthwein, The text of the Old Testament [O texto do Antigo Testamento] (Nova York, Macmillan, 1957, p. 80-1). Würthwein não é um especialista evangélico, mas representa os mais elevados peritos alemães na área da crítica textual, e suas recomendações quanto a procedimentos estão acima de qualquer suspeita — exceto, talvez, por parte de críticos que desejam alterar o texto das Escrituras que recebemos, de tal modo que estas se adaptem às suas próprias idéias e as aprovem, pois já determinaram o que o texto deve dizer. Aqui está, pois, a fórmula de Würthwein: Quando o TM e outros testemunhos apresentam a mesma redação, sensata e inteligente, que o texto permaneça como está, sem especulações. (É inadmissível que se rejeite esse texto e se pratiquem conjecturas, como tantos se atrevem a fazer.)   Onde houver um desvio genuíno do TM por parte de outros testemunhos e ambos os textos pareçam igualmente sensatos, a preferência deve ser dada ao TM.   Quando o texto do TM por alguma razão for duvidoso ou quase impossível — seja da perspectiva da gramática, seja do bom sentido contextual — e o texto apresentado por outros testemunhos oferece sentido satisfatório, este deve merecer cuidadosa consideração, sobretudo quando se verifica que o texto do TM pode ser resultante de um dos erros comuns dos escribas (descritos anteriormente). Porém se houver razão para crer que o antigo tradutor forjou um texto claro, por não conseguir interpretar o sentido do texto hebraico à sua frente, e, portanto, tentou adivinhar o sentido que o autor lhe queria atribuir, temos então um texto antes obscuro que sofreu tentativas de esclarecimento mediante o emprego de conjecturas, tornando-se espúrio.   Quando nem o TM nem outras testemunhas conseguem apresentar um texto plausível, as conjecturas são o único caminho para o crítico. Contudo, ele deve fazer o máximo no sentido de reconstituir o texto, de modo que fique tão próximo quanto possível das palavras corrompidas encontradas no texto recebido, tomando conhecimento pleno dos padrões de erros dos escribas e as várias alternativas de leitura, as quais pode facilmente ter se desenvolvido a partir do texto original.   Em todo o seu trabalho com problemas textuais, o crítico deve prestar atenção à psicologia do próprio escriba. De que maneira teria caído nessa falha, caso seja mesmo um erro? Até que ponto o manuscrito se conforma com seu hábito mental ou procedimento observável no resto do livro? Mediante essa fórmula, desenvolvida com o máximo cuidado, Würthwein delineou um método honesto de objetividade científica, um procedimento sistemático que serve para eliminar grande parte das emendas negligentes, atrevidas e infundadas, costumeiramente atiradas sobre as pessoas à guisa de crítica textual honesta. Fonte: Enciclopédia de Temas Bíblicos Respostas às principais dúvidas, dificuldades e “contradições” da bíblia Gleason Archer Editora : Vida – Continue lendo

Versículos bíblicos que falam de intercessão

Versículos bíblicos que falam de intercessão

Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles. (Hebreus: 7.25) Introdução: Intercessão é o ato de interceder, de solicitar algo para o outro. A Palavra de Deus nos incentiva a interceder pelos nossos irmãos e devemos fazer isso. É um ato de amor nos lembrar daqueles que precisam, por isso devemos colocá-los em nossas orações, intercedendo por todos. Sendo assim, tendo em vista a importância do tema, decidimos publicar alguns versículos sobre “intercessão”. Versículos de intercessão no Antigo Testamento: Busquem a prosperidade da cidade para a qual eu os deportei e orem ao Senhor em favor dela, porque a prosperidade de vocês depende da prosperidade dela. (Jeremias 29:7) Por isso me voltei para o Senhor Deus com orações e súplicas, em jejum, em pano de saco e coberto de cinza. (Daniel 9:3) Procurei entre eles um homem que erguesse o muro e se pusesse na brecha diante de mim e em favor da terra, para que eu não a destruísse, mas não encontrei nem um só. (Ezequiel 22:30) Então o rei disse ao homem de Deus: “Interceda ao Senhor, o seu Deus, e ore por mim para que meu braço se recupere”. O homem de Deus intercedeu ao Senhor, e o braço do rei recuperou-se e voltou ao normal. (1 Reis: 13.6) Então Moisés clamou ao Senhor: Ó Deus, por misericórdia, cura-a! (Números 12:13) E longe de mim esteja pecar contra o Senhor, deixando de orar por vocês. Também lhes ensinarei o caminho que é bom e direito. (1 Samuel 12:23) O povo foi a Moisés e disse: “Pecamos quando falamos contra o Senhor e contra você. Ore pedindo ao Senhor que tire as serpentes do meio de nós”. E Moisés orou pelo povo. (Números 21:7) O Senhor te abençoe e te guarde. (Números 6:24) O Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te conceda graça. (Números 6:25) O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê paz. (Números 6:26) Sejam fortes e corajosos. Não tenham medo nem fiquem apavorados por causa deles, pois o Senhor, o seu Deus, vai com vocês, nunca os deixará, nunca os abandonará. (Deuteronômio 31:6) Versículos intercessão nos Evangelhos: Mas eu lhes digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem. (Mateus 5:44) Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus. (Mateus 5:16) Versículos sobre o tema nas Cartas de Paulo: Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ação de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1) Pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade. (1 Timóteo 2:2) Enquanto vocês nos ajudam com as suas orações. Assim muitos darão graças por nossa causa, pelo favor a nós concedido em resposta às orações de muitos. (2 Coríntios 1:11) Finalmente, irmãos, Continue lendo

Tipos de teologias

Tipos de teologias

É preciso distinguir entre os tipos de teologias a fim de que se tenha uma postura correta diante de cada uma delas. Estudar Teologia Bíblica não corresponde a estudar Teologia Sistemática em relação ao método e aos resultados – não que haja contradição nos estudos teológicos mas é preciso saber que um nos levará a entender o pensamento de determinado autor em uma época específica; enquanto outro estudo nos levará a entender um tema, especificamente, dentro de um conjunto de textos que estão relacionados. Teologia Bíblica A Teologia Bíblica divide-se em Teologia Bíblica do Antigo Testamento e Teologia Bíblica do Novo Testamento. Tanto uma como a outra resultam de um trabalho exegético, ou seja, de uma hermenêutica (interpretação) textual minuciosa, a qual se baseia nos pressupostos históricos e culturais, bem como na literatura dos textos originais (grego, hebraico e aramaico). A Teologia Bíblica é dedutiva. Não importa qual seja o pensamento prévio do intérprete quanto ao assunto estudado: o texto fornecerá a ele a sua informação, cabendo, ao leitor, a conclusão a partir do pensamento do escritor original. Teologia Histórica A Teologia Histórica analisa o desenvolvimento da Teologia ao longo da história da Igreja nas diversas categorias sectárias, considerando suas respectivas variações e seus desvios heréticos. Teologia Prática A Teologia Prática ocupa-se do modo como a Igreja comunica sua fé e suas verdades. Ela está ligada diretamente à Teologia Pastoral e à Teologia Espiritual. Os resultados da Teologia Prática são verificados a partir dos ensinamentos legados, na forma de definições e de conceitos doutrinários, na liturgia e no modo de vida de cada membro de uma Igreja. “Definir Teologia Sistemática, incluindo  o que a Bíblia toda ensina-nos hoje, pressupõe que a aplicação à vida é uma parte necessária da Teologia Sistemática”.1 1. GRUDEM, Wayne. Teologia Sistemática. São Paulo: Vida Nova, 2005. p. 3. PROLEGÔMENOS ■ 1 1 Teologia Natural A Teologia Natural decorre da revelação natural que todo ser humano tem acerca de Deus por intermédio da criação, dando, ao homem, a noção de que há um Deus relacionado a todas as coisas criadas. Isso exige que cada um tenha a consciência de um compromisso moral com Ele (Rm 1.18ss). Teologia Revelada A Teologia Revelada debruça-se sobre a revelação específica de Deus por meio das Escrituras Sagradas, as quais fornecem todo o material necessário para satisfazer as indagações humanas e para orientar o homem seguramente no caminho que o levará a Deus, em conformidade com a Sua vontade. Teologia Sistemática A Teologia Sistemática também é conhecida como Teologia Dogmática, pois ela defende dogmas (crenças tidas como certas e absolutas). Diferentemente da Teologia Bíblica, que é exegética e dedutiva, a Teologia Sistemática é indutiva. Ela parte do tema para as Escrituras, explorando tudo o que for possível dentro do assunto. A Teologia Sistemática é um arranjo ordenado da doutrina cristã, ela é a sistematização dos principais temas relacionados à fé, tais como: 1) Escrituras Sagradas (Bibliologia), isto é, a canonicidade e a autoridade da Bíblia como Palavra de Deus aos homens; Continue lendo

Versículos bíblicos para acalmar o seu coração

Versículos bíblicos para acalmar o seu coração

Entregue suas preocupações ao Senhor, e ele o susterá, jamais permitirá que o justo venha a cair. (Salmos: 55.22) Introdução: O homem precisa, muitas vezes, dar uma parada e acalmar o seu coração, sob pena de até ficar doente. São muitos os problemas diários, por conta disso, muitos se sentem completamente perdidos. Muito embora a Palavra de Deus diga para que não andemos ansiosos por coisa alguma, colocar em prática essa ordenança é muito complicado. Por isso, é necessário que tenhamos equilíbrio e discernimento para perceber que há momentos que precisamos parar e se acalmar. Pois , se não fizermos isso, corremos o risco de ficarmos doentes, pois o estresse é muito grande para todos. Sendo assim, relacionamos alguns versículos para incentivar você a procurar se acalmar, mesmo nos momentos mais difíceis. Entretanto, é importante salientar, que nesses versículos estão expressos o cuidado do Senhor para conosco, através de promessas bem claras. Porém, gostaríamos de chamar a atenção para o fato de que existe uma parte que nos cabe nesse processo. Ou seja, precisamos tomar algumas atitudes e exercitar algumas virtudes, tais como, paciência, fé, moderação, dentre outras. Leia com atenção e faça a sua parte, Deus não mente e cumprirá a Dele. Esperamos que você goste: Versículos para acalmar o seu coração no Antigo Testamento: Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor. (Salmos: 27.14) Contudo, se você lhe consagrar o coração, e estender as mãos para ele. (Jó:11.13) Se afastar das suas mãos o pecado, e não permitir que a maldade habite em sua tenda. (Jó: 11.14) Então você levantará o rosto sem envergonhar-se, serás firme e destemido. (Jó: 11.15) Você esquecerá as suas desgraças, lembrando-as apenas como águas passadas. (Jó: 11.16) A vida será mais refulgente que o meio-dia, e as trevas serão como a manhã que brilha. (Jó: 11.17) Você estará confiante, graças a esperança que haverá, olhará ao redor, e repousará em segurança. (Jó: 11.18) Você se deitará, e ninguém lhe causará medo, e muitos procurarão o seu favor. (Jó: 11.19) Mas os olhos dos ímpios fenecerão, e em vão procurarão refúgio; o suspiro da morte será a esperança que terão. (Jó: 11.20) Espere no Senhor e siga a sua vontade. Ele o exaltará, dando-lhe a terra por herança; quando os ímpios forem eliminados, você o verá. (Salmos: 37.34) Mas aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças. Voam bem alto como águias; correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam. (Isaías: 40.31) Versículos para acalmar o seu coração nos Evangelhos: Portanto, não se preocupem, dizendo: “Que vamos comer? ou que vamos beber? ou que vamos vestir?” (Mateus: 6.31) Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. (Mateus: 6.32) Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. (Mateus: 6.33) Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu Continue lendo

O Messias prometido

O Messias prometido

Das profecias acerca do Seu nascimento à Sua ascensão ao céu, a Cristologia lida com um grande mistério. Emanuel, “Deus conosco”, esteve aqui. Todos os fatos que envolvem a pessoa de Cristo devem ser considerados, ou seja, cada palavra, cada gesto. Diante de fatos tão complexos, cabe ao estudante da Cristologia fazer esta pergunta, com toda reverência e humildade: Que pessoa é essa que participou da criação do mundo, veio à terra, fez-se homem, realizou coisas extraordinárias, morreu em uma cruz, ressuscitou ao terceiro dia e subiu ao céu, à vista de quase 500 irmãos, se não é Deus? Estudar a vida de Cristo é descobrir o que de mais maravilhoso se pode encontrar na vida de um ser. É algo que transcende qualquer biografia jamais escrita e orna as mais requintadas bibliotecas do mundo. Estudar Cristo não é decifrá-lo, porque ninguém pode decifrar Deus, o Pai; mas é deleitar-se em um conhecimento sem fim, que se inicia aqui e prossegue por toda a eternidade. “E a vida eterna é esta: que conheçam a ti só por único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (Jo 17.3). O termo Messias vem do hebraico Mashiah, e significa “ungido”. O verbo correspondente é “untar” ou “ungir”. Untar é um termo muito usado pelas donas de casa quando esfregam óleo na forma, antes de jogarem a massa para assar uma torta ou uma carne. O termo mashach também é aplicado para derramamento de óleo para aspersão sobre objetos ou pessoas, algo de profunda significação no Antigo Testamento.5 O verbo masah aparece, no Pentateuco, 29 vezes no perfeito, no imperfeito, no infinitivo, no particípio de qale, no infinitivo de niphal. Nos livros proféticos, aparece 30 vezes. Amós usa esse verbo para referir-se aos costumes de mulheres pecadoras que se perfumavam com óleos finos (Am 6.6). O verbo grego éxpioév, ékrisén, usado na Septuaginta, é o que aparece também no Novo Testamento (Lc 4.18; At 4.27; 10.38). Ele surge também como qualificativo da pessoa de Jesus em João 1.41 e 4.25. A grande intriga dos judeus, dos dias de Jesus até hoje, é admitir que Jesus é o Messias, conforme as profecias referentes à Sua pessoa. Por que há tanta implicância em admitir esse fato? Em que consiste, afinal, ser Jesus o Messias? Consiste em ser a manifestação de um Rei divino, que vem para ocupar o Seu legítimo trono em um reino teocrático. De modo geral, no período monárquico, o rei é visto sempre como um enviado de Deus, pois é chamado de “Ungido de Yahweh”. Muitos se candidataram a esse trono, dizendo-se Messias, mas cada um foi desmascarado a seu tempo. Conhecemo-lo por meio de revelações históricas e até mesmo bíblicas, que descrevem pelo menos dois casos: Teudas e Judas (At 5.36,37). Os pseudomessias não preenchiam os requisitos indispensáveis para tão elevada posição. No caso de Jesus, houve incessantes batalhas, movidas pelos religiosos, para tentar impugná-lo, e isso foi levado até o fim, até o dia em que conseguiram matá-lo, mas Continue lendo

Versículos bíblicos para começar bem o seu dia

Versículos bíblicos para começar bem o seu dia

De manhã ouves, Senhor, o meu clamor; de manhã te apresento a minha oração e aguardo com esperança. (Salmos: 5.3) Introdução: Podemos escolher a forma como começar os nossos dias. Está ao nosso alcance, essa decisão cabe a nós e a ninguém mais. Podemos começar correndo, já que levantamos atrasados. Ou começar de forma tranquila, dedicando alguns minutos para orar a Deus e lendo a Sua Palavra. Não tenho nenhuma dúvida que aquele que escolher dedicar um tempo ao Senhor, terá um dia muito melhor. Pode ser alguns minutos somente, porém será um tempo que fará uma enorme diferença no final. Pensando nisso, decidimos publicar alguns versículos para você começar o seu dia meditando na Palavra de Deus. Se organize e inclua no seu planejamento diário esse tempo, temos certeza que você não irá se arrepender. Versículos para começar o dia no Antigo Testamento: Faze-me ouvir do teu amor leal pela manhã, pois em ti confio. Mostra-me o caminho que devo seguir, pois a ti elevo a minha alma. (Salmos: 143.8) Como é bom render graças ao Senhor e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo. (Salmos: 92.1) Anunciar de manhã o teu amor leal e de noite a tua fidelidade. (Salmos: 92.2) Acorde, minha alma! Acordem, harpa e lira! Vou despertar a alvorada! (Salmos: 57.8) Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis. (Lamentações: 3.22) Renovam-se cada manhã; grande é a tua fidelidade! (Lamentações: 3.23) Digo a mim mesmo: A minha porção é o Senhor; portanto, nele porei a minha esperança. (Lamentações: 3.24) Quanto a mim, feita a justiça, verei a tua face; quando despertar ficarei satisfeito ao ver a tua semelhança. (Salmos: 17.15) Senhor, tem misericórdia de nós; pois por ti esperamos! Sê tu a nossa força cada manhã, nossa salvação na hora do perigo. (Isaías: 33.2) Bendiga ao Senhor a minha alma! Não esqueça de nenhuma de suas bênçãos! (Salmos: 103.2) De manhã ouves, Senhor, o meu clamor; de manhã te apresento a minha oração e aguardo com esperança. (Salmos: 5.3) Mais versículos para começar o dia no Antigo Testamento: Plante de manhã a sua semente, e mesmo ao entardecer não deixe as suas mãos ficarem à toa, pois você não sabe o que acontecerá, se esta ou aquela produzirá, ou se as duas serão igualmente boas. (Eclesiastes: 11.6) Antes de clarear o dia ela se levanta, prepara comida para todos os de casa, e dá tarefas as suas servas. (Provérbios: 31.15) O Soberano Senhor deu-me uma língua instruída, para conhecer a palavra que sustém o exausto. Ele me acorda manhã após manhã, desperta meu ouvido para escutar como alguém que é ensinado. (Isaías: 50.4) Ouçam, meus filhos, a instrução de um pai; estejam atentos, e obterão discernimento. (Provérbios: 4.1) Não aceite suborno, pois o suborno cega até os que têm discernimento e prejudica a causa do justo. (Êxodo: 23.8) Meu filho, se você aceitar as minhas palavras e guardar no coração os meus mandamentos. (Provérbios: 2.1) Se Continue lendo

Resgatando o significado do texto bíblico

Resgatando o significado do texto bíblico

Um dos primeiros passos para o entendimento das Escrituras é discernir o significado do texto conforme escrito originalmente. Conquanto seja improvável que os arqueólogos desenterrem algum autógrafo (texto do autor original), as cópias passadas adiante chegaram até nós tão bem preservadas que nos dão a certeza de termos em nossas mãos a Palavra de Deus tal como foi revelada. Entretanto, as muitas cópias manuscritas de textos bíblicos às vezes contêm variações de palavras. E essas antigas versões apresentam-nos um desafio: recuperar a forma precisa, a gramática e a sintaxe das palavras no hebraico, no aramaico e no grego, bem como os seus significados exatos e nuanças. Por isso, como destaca Bryant Wood, “uma contribuição muito importante da arqueologia é o estudo que faz da linguagem da Bíblia”. Temos feito muitas descobertas de textos antigos, bibliotecas e coleções de documentos que nos ajudam a entender as línguas hebraica e grega, o que nos permite obter uma tradução melhor dessas línguas para o inglês. A maioria das descobertas de inscrições em línguas bíblicas ou em suas cognatas (línguas que possuem afinidade com os idiomas da Bíblia) têm afirmado a integridade dos textos recebidos (autoritativos). Além disso, elas auxiliam os eruditos a entenderem as peculiaridades das seções poéticas e a interpretar melhor as palavras que aparecem apenas uma vez (hapax legomenon), sem qualquer sentido seguro para a tradução. Como resultado, temos agora maior certeza da validade dos textos nas línguas originais e aprimorada habilidade em traduzi-los para as línguas modernas. Esclarecendo o mundo da Bíblia Antes da arqueologia, a Bíblia era a testemunha solitária do que então se conhecia como “história sagrada”. As Escrituras, porém, assemelhavam-se a um livro exótico, narrando a história de uma civilização alienígena, desvinculado de pessoas e eventos reais. Sem acesso ao material do passado, cada um concebia o mundo bíblico à sua maneira. Porque a maioria da população mundial era analfabeta — situação que se estendeu até os tempos modernos — e cabia à arte e à arquitetura o papel de instruir o povo a respeito da vida nos tempos bíblicos. O mundo espiritual era elevado na arquitetura das catedrais, por exemplo, posicionando o homem comum ainda mais distante da realidade do mundo da Bíblia. Desde os mosaicos até as pinturas e esculturas em relevo, ilustrava-se a vida dos santos e pecadores das páginas sagradas, mas somente à luz limitada da época e dos conhecimentos do artista. Defrontei-me pela primeira vez com esse dilema durante uma exposição especial no Museu de Israel intitulada “Rembrandt e a Bíblia”. Graduado em arte e em teologia, interessei-me por aquela singular apresentação das obras do mestre holandês. Uma das primeiras cenas que vi estava num esboço, datado de 1637, que representava um homem, obviamente rico, de pé na escada à porta de sua mansão. Vestia turbante, túnica com cinto, botas de cadarço, casaco de pele, e tinha um cão obediente aos seus pés. Também faziam parte da cena um garoto vestido com pesada roupa de viagem e botas e uma mulher, semelhantemente Continue lendo