Versículos bíblicos para acalmar o seu coração

Versículos bíblicos para acalmar o seu coração

Entregue suas preocupações ao Senhor, e ele o susterá, jamais permitirá que o justo venha a cair. (Salmos: 55.22) Introdução: O homem precisa, muitas vezes, dar uma parada e acalmar o seu coração, sob pena de até ficar doente. São muitos os problemas diários, por conta disso, muitos se sentem completamente perdidos. Muito embora a Palavra de Deus diga para que não andemos ansiosos por coisa alguma, colocar em prática essa ordenança é muito complicado. Por isso, é necessário que tenhamos equilíbrio e discernimento para perceber que há momentos que precisamos parar e se acalmar. Pois , se não fizermos isso, corremos o risco de ficarmos doentes, pois o estresse é muito grande para todos. Sendo assim, relacionamos alguns versículos para incentivar você a procurar se acalmar, mesmo nos momentos mais difíceis. Entretanto, é importante salientar, que nesses versículos estão expressos o cuidado do Senhor para conosco, através de promessas bem claras. Porém, gostaríamos de chamar a atenção para o fato de que existe uma parte que nos cabe nesse processo. Ou seja, precisamos tomar algumas atitudes e exercitar algumas virtudes, tais como, paciência, fé, moderação, dentre outras. Leia com atenção e faça a sua parte, Deus não mente e cumprirá a Dele. Esperamos que você goste: Versículos para acalmar o seu coração no Antigo Testamento: Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor. (Salmos: 27.14) Contudo, se você lhe consagrar o coração, e estender as mãos para ele. (Jó:11.13) Se afastar das suas mãos o pecado, e não permitir que a maldade habite em sua tenda. (Jó: 11.14) Então você levantará o rosto sem envergonhar-se, serás firme e destemido. (Jó: 11.15) Você esquecerá as suas desgraças, lembrando-as apenas como águas passadas. (Jó: 11.16) A vida será mais refulgente que o meio-dia, e as trevas serão como a manhã que brilha. (Jó: 11.17) Você estará confiante, graças a esperança que haverá, olhará ao redor, e repousará em segurança. (Jó: 11.18) Você se deitará, e ninguém lhe causará medo, e muitos procurarão o seu favor. (Jó: 11.19) Mas os olhos dos ímpios fenecerão, e em vão procurarão refúgio; o suspiro da morte será a esperança que terão. (Jó: 11.20) Espere no Senhor e siga a sua vontade. Ele o exaltará, dando-lhe a terra por herança; quando os ímpios forem eliminados, você o verá. (Salmos: 37.34) Mas aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças. Voam bem alto como águias; correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam. (Isaías: 40.31) Versículos para acalmar o seu coração nos Evangelhos: Portanto, não se preocupem, dizendo: “Que vamos comer? ou que vamos beber? ou que vamos vestir?” (Mateus: 6.31) Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. (Mateus: 6.32) Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. (Mateus: 6.33) Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu Continue lendo

O Messias prometido

O Messias prometido

Das profecias acerca do Seu nascimento à Sua ascensão ao céu, a Cristologia lida com um grande mistério. Emanuel, “Deus conosco”, esteve aqui. Todos os fatos que envolvem a pessoa de Cristo devem ser considerados, ou seja, cada palavra, cada gesto. Diante de fatos tão complexos, cabe ao estudante da Cristologia fazer esta pergunta, com toda reverência e humildade: Que pessoa é essa que participou da criação do mundo, veio à terra, fez-se homem, realizou coisas extraordinárias, morreu em uma cruz, ressuscitou ao terceiro dia e subiu ao céu, à vista de quase 500 irmãos, se não é Deus? Estudar a vida de Cristo é descobrir o que de mais maravilhoso se pode encontrar na vida de um ser. É algo que transcende qualquer biografia jamais escrita e orna as mais requintadas bibliotecas do mundo. Estudar Cristo não é decifrá-lo, porque ninguém pode decifrar Deus, o Pai; mas é deleitar-se em um conhecimento sem fim, que se inicia aqui e prossegue por toda a eternidade. “E a vida eterna é esta: que conheçam a ti só por único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (Jo 17.3). O termo Messias vem do hebraico Mashiah, e significa “ungido”. O verbo correspondente é “untar” ou “ungir”. Untar é um termo muito usado pelas donas de casa quando esfregam óleo na forma, antes de jogarem a massa para assar uma torta ou uma carne. O termo mashach também é aplicado para derramamento de óleo para aspersão sobre objetos ou pessoas, algo de profunda significação no Antigo Testamento.5 O verbo masah aparece, no Pentateuco, 29 vezes no perfeito, no imperfeito, no infinitivo, no particípio de qale, no infinitivo de niphal. Nos livros proféticos, aparece 30 vezes. Amós usa esse verbo para referir-se aos costumes de mulheres pecadoras que se perfumavam com óleos finos (Am 6.6). O verbo grego éxpioév, ékrisén, usado na Septuaginta, é o que aparece também no Novo Testamento (Lc 4.18; At 4.27; 10.38). Ele surge também como qualificativo da pessoa de Jesus em João 1.41 e 4.25. A grande intriga dos judeus, dos dias de Jesus até hoje, é admitir que Jesus é o Messias, conforme as profecias referentes à Sua pessoa. Por que há tanta implicância em admitir esse fato? Em que consiste, afinal, ser Jesus o Messias? Consiste em ser a manifestação de um Rei divino, que vem para ocupar o Seu legítimo trono em um reino teocrático. De modo geral, no período monárquico, o rei é visto sempre como um enviado de Deus, pois é chamado de “Ungido de Yahweh”. Muitos se candidataram a esse trono, dizendo-se Messias, mas cada um foi desmascarado a seu tempo. Conhecemo-lo por meio de revelações históricas e até mesmo bíblicas, que descrevem pelo menos dois casos: Teudas e Judas (At 5.36,37). Os pseudomessias não preenchiam os requisitos indispensáveis para tão elevada posição. No caso de Jesus, houve incessantes batalhas, movidas pelos religiosos, para tentar impugná-lo, e isso foi levado até o fim, até o dia em que conseguiram matá-lo, mas Continue lendo

Versículos bíblicos para começar bem o seu dia

Versículos bíblicos para começar bem o seu dia

De manhã ouves, Senhor, o meu clamor; de manhã te apresento a minha oração e aguardo com esperança. (Salmos: 5.3) Introdução: Podemos escolher a forma como começar os nossos dias. Está ao nosso alcance, essa decisão cabe a nós e a ninguém mais. Podemos começar correndo, já que levantamos atrasados. Ou começar de forma tranquila, dedicando alguns minutos para orar a Deus e lendo a Sua Palavra. Não tenho nenhuma dúvida que aquele que escolher dedicar um tempo ao Senhor, terá um dia muito melhor. Pode ser alguns minutos somente, porém será um tempo que fará uma enorme diferença no final. Pensando nisso, decidimos publicar alguns versículos para você começar o seu dia meditando na Palavra de Deus. Se organize e inclua no seu planejamento diário esse tempo, temos certeza que você não irá se arrepender. Versículos para começar o dia no Antigo Testamento: Faze-me ouvir do teu amor leal pela manhã, pois em ti confio. Mostra-me o caminho que devo seguir, pois a ti elevo a minha alma. (Salmos: 143.8) Como é bom render graças ao Senhor e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo. (Salmos: 92.1) Anunciar de manhã o teu amor leal e de noite a tua fidelidade. (Salmos: 92.2) Acorde, minha alma! Acordem, harpa e lira! Vou despertar a alvorada! (Salmos: 57.8) Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis. (Lamentações: 3.22) Renovam-se cada manhã; grande é a tua fidelidade! (Lamentações: 3.23) Digo a mim mesmo: A minha porção é o Senhor; portanto, nele porei a minha esperança. (Lamentações: 3.24) Quanto a mim, feita a justiça, verei a tua face; quando despertar ficarei satisfeito ao ver a tua semelhança. (Salmos: 17.15) Senhor, tem misericórdia de nós; pois por ti esperamos! Sê tu a nossa força cada manhã, nossa salvação na hora do perigo. (Isaías: 33.2) Bendiga ao Senhor a minha alma! Não esqueça de nenhuma de suas bênçãos! (Salmos: 103.2) De manhã ouves, Senhor, o meu clamor; de manhã te apresento a minha oração e aguardo com esperança. (Salmos: 5.3) Mais versículos para começar o dia no Antigo Testamento: Plante de manhã a sua semente, e mesmo ao entardecer não deixe as suas mãos ficarem à toa, pois você não sabe o que acontecerá, se esta ou aquela produzirá, ou se as duas serão igualmente boas. (Eclesiastes: 11.6) Antes de clarear o dia ela se levanta, prepara comida para todos os de casa, e dá tarefas as suas servas. (Provérbios: 31.15) O Soberano Senhor deu-me uma língua instruída, para conhecer a palavra que sustém o exausto. Ele me acorda manhã após manhã, desperta meu ouvido para escutar como alguém que é ensinado. (Isaías: 50.4) Ouçam, meus filhos, a instrução de um pai; estejam atentos, e obterão discernimento. (Provérbios: 4.1) Não aceite suborno, pois o suborno cega até os que têm discernimento e prejudica a causa do justo. (Êxodo: 23.8) Meu filho, se você aceitar as minhas palavras e guardar no coração os meus mandamentos. (Provérbios: 2.1) Se Continue lendo

Resgatando o significado do texto bíblico

Resgatando o significado do texto bíblico

Um dos primeiros passos para o entendimento das Escrituras é discernir o significado do texto conforme escrito originalmente. Conquanto seja improvável que os arqueólogos desenterrem algum autógrafo (texto do autor original), as cópias passadas adiante chegaram até nós tão bem preservadas que nos dão a certeza de termos em nossas mãos a Palavra de Deus tal como foi revelada. Entretanto, as muitas cópias manuscritas de textos bíblicos às vezes contêm variações de palavras. E essas antigas versões apresentam-nos um desafio: recuperar a forma precisa, a gramática e a sintaxe das palavras no hebraico, no aramaico e no grego, bem como os seus significados exatos e nuanças. Por isso, como destaca Bryant Wood, “uma contribuição muito importante da arqueologia é o estudo que faz da linguagem da Bíblia”. Temos feito muitas descobertas de textos antigos, bibliotecas e coleções de documentos que nos ajudam a entender as línguas hebraica e grega, o que nos permite obter uma tradução melhor dessas línguas para o inglês. A maioria das descobertas de inscrições em línguas bíblicas ou em suas cognatas (línguas que possuem afinidade com os idiomas da Bíblia) têm afirmado a integridade dos textos recebidos (autoritativos). Além disso, elas auxiliam os eruditos a entenderem as peculiaridades das seções poéticas e a interpretar melhor as palavras que aparecem apenas uma vez (hapax legomenon), sem qualquer sentido seguro para a tradução. Como resultado, temos agora maior certeza da validade dos textos nas línguas originais e aprimorada habilidade em traduzi-los para as línguas modernas. Esclarecendo o mundo da Bíblia Antes da arqueologia, a Bíblia era a testemunha solitária do que então se conhecia como “história sagrada”. As Escrituras, porém, assemelhavam-se a um livro exótico, narrando a história de uma civilização alienígena, desvinculado de pessoas e eventos reais. Sem acesso ao material do passado, cada um concebia o mundo bíblico à sua maneira. Porque a maioria da população mundial era analfabeta — situação que se estendeu até os tempos modernos — e cabia à arte e à arquitetura o papel de instruir o povo a respeito da vida nos tempos bíblicos. O mundo espiritual era elevado na arquitetura das catedrais, por exemplo, posicionando o homem comum ainda mais distante da realidade do mundo da Bíblia. Desde os mosaicos até as pinturas e esculturas em relevo, ilustrava-se a vida dos santos e pecadores das páginas sagradas, mas somente à luz limitada da época e dos conhecimentos do artista. Defrontei-me pela primeira vez com esse dilema durante uma exposição especial no Museu de Israel intitulada “Rembrandt e a Bíblia”. Graduado em arte e em teologia, interessei-me por aquela singular apresentação das obras do mestre holandês. Uma das primeiras cenas que vi estava num esboço, datado de 1637, que representava um homem, obviamente rico, de pé na escada à porta de sua mansão. Vestia turbante, túnica com cinto, botas de cadarço, casaco de pele, e tinha um cão obediente aos seus pés. Também faziam parte da cena um garoto vestido com pesada roupa de viagem e botas e uma mulher, semelhantemente Continue lendo

Versículos bíblicos para momentos difíceis

Versículos bíblicos para momentos difíceis

Introdução: Muitas vezes passamos por momentos tão difíceis, que achamos que é o fim. Nessa hora, os mais diversos fantasmas passam pela nossa mente. E, talvez o maior, é que Deus nos abandonou. A coisa fica tão feia, que achamos que o Senhor não está nem aí para nós. Pois pensamos: Não é possível que Ele não esteja vendo. Por isso, decidimos relacionar alguns versículos que tratam desse tema: “momentos difíceis”. Porque muito embora pensemos assim, Deus é fiel e jamais abandona os seus filhos. Versículos sobre o tema no Antigo Testamento: Registra, tu mesmo, o meu lamento, recolhe as minhas lágrimas em teu odre; acaso não estão anotadas em teu livro? (Salmos: 56.8) Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão. (Salmos: 126.5) Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes. (Salmos: 126.6) Este é o meu consolo no meu sofrimento: A tua promessa dá-me vida. (Salmos: 119.50) Por isso não tema, pois estou com você, não tenha medo, pois sou o seu Deus. Eu o fortalecerei e o ajudarei. Eu o segurarei com a minha mão direita vitoriosa. (Isaías: 41.10) Eu sou o Senhor, o Deus de toda a humanidade. Há alguma coisa difícil demais para mim? (Jeremias 32:27) Sejam fortes e corajosos. Não tenham medo nem fiquem apavorados por causa deles, pois o Senhor, o seu Deus, vai com vocês, nunca os deixará, nunca os abandonará. (Deuteronômio: 31.6) Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apoie em seu próprio entendimento (Provérbios: 3.5) Reconheça o Senhor em todos os seus caminhos e ele endireitará as suas veredas. (Provérbios: 3.6) Entregue suas preocupações ao Senhor, e ele o susterá, jamais permitirá que o justo venha a cair. (Salmos: 55.22) Versículos para momentos difíceis nos Evangelhos: Mas o Conselheiro, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, lhes ensinará todas as coisas e lhes fará lembrar tudo o que eu lhes disse. (João: 14.26) Deixo-lhes a paz, a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbem os seus corações, nem tenham medo. (João: 14.27) Versículos para momentos difíceis nas Cartas de Paulo: Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes. (Romanos: 8.38) Nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Romanos: 8.39) Pois assim como os sofrimentos de Cristo transbordam sobre nós, também por meio de Cristo transborda a nossa consolação. (2 Coríntios: 1.5) Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito. (Romanos: 8.28) Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte. (2 Coríntios: 12.10) Tudo posso naquele que me Continue lendo

Os cânones da crítica textual

Os cânones da crítica textual

Nesse post apresentaremos, à guisa de resumo, os sete “cânones” ou regras de procedimento que os críticos utilizam para chegar a uma decisão inteligente acerca de textos divergentes. Tais cânones estão classificados na ordem de sua prioridade ou valor relativo. Cânone 1. Em geral, prefere-se o texto mais antigo, e não o encontrado em manuscritos posteriores, mais recentes. Entretanto, podem-se encontrar textos menos confiáveis em manuscritos tão antigos como 1QIsa, simplesmente porque se trata de uma cópia feita rapidamente, tencionada para uso particular, não para utilização no culto público ou para instrução oficial. Normalmente, porém, quanto mais antigo for um manuscrito, menores probabilidades haverá de desvios do texto original. Cânone 2. O texto mais difícil (lectio difficilior) há de ser preferido ao mais fácil. Isso resulta da maior probabilidade de o copista querer simplificar uma palavra ou expressão difícil, em seu Vorlage, em vez de preservar a dificuldade a fim de tornar mais fácil o que lhe parece difícil. Todavia, deve-se notar que, quando aparentemente o texto mais difícil resultou de confusão ou de inadvertência por parte do escriba, essa regra não se aplica. Diga-se o mesmo quando o texto é tão difícil que na verdade não faz sentido, senão quando o texto mais difícil exprime uma ideia ou opinião totalmente contrária aos sentimentos expressos noutras passagens do livro. Cânone 3. Deve-se preferir o texto mais curto ao mais longo. A razão disso é que os copistas estão mais inclinados a inserir material adicional com o propósito de esclarecer ou embelezar o texto que a eliminar palavras já existentes em seu Vorlage. No entanto, essa regra não se aplica se o texto mais curto parece ser resultante de haplografia ou de homeoteleuto. Cânone 4. O texto que explica melhor todas as variantes provavelmente é o original. Excelente exemplo disso foi discutido anteriormente em relação a Salmos 22.17, em que vimos ser a palavra kā’rû (“eles perfuraram”) interpretada como kā’arî (numa época em que o waw e o yodh eram muito parecidos), explicando-se mais satisfatoriamente a versão do TM. É muito improvável que a expressão “como o leão” fosse o texto original por trás de kā’rû, que faz bom sentido no contexto. Cânone 5. O texto que tiver aceitação mais extensa geograficamente deve ser preferido ao que predomina numa simples região ou numa única família de manuscritos. Assim, um texto consagrado pelas versões LXX, Antiga latina e Copta não é mais recomendável que o consagrado pela Vulgata e pela LXX (exceto os Salmos), ou pela LXX e pela Versão samaritana. A razão disso é que a Antiga latina e a Copta são traduções da LXX, e não do original hebraico. Por exemplo, em Números 22.35, a Versão samaritana e a LXX registram ṯišmōr le ḏabbēr (“tu serás cuidadoso no falar”), em comparação com a expressão simples do TM te ḏabbēr (“tu falarás”). Ainda que alguns manuscritos da LXX houvessem sido encontrados na biblioteca de Qumran, pode-se afirmar com segurança que a LXX e a Versão samaritana o exerceram pouquíssima influência uma sobre Continue lendo

Versículos bíblicos sobre ousadia

Versículos bíblicos sobre ousadia

No qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé nele. (Efésios: 3.12) Introdução: Ousadia é uma característica da pessoa que é ousada. Significa que se trata de alguém com coragem, que é valente. A Palavra de Deus diz para que sejamos corajosos e fortes, pois o Senhor caminha conosco e nunca nos deixará. Essa é a esperança que devemos ter, pois Ele nunca nos deixará, nunca nos abandonará. Sendo assim, relacionamos uma série de versículos que tratam desse tema: “ousadia”. Esperamos que você goste: Versículos sobre ousadia no Antigo Testamento: Deus é a minha salvação; terei confiança e não temerei. O Senhor, sim, o Senhor é a minha força e o meu cântico; ele é a minha salvação! (Isaías: 12.2) O ímpio foge, embora ninguém o persiga, mas os justos são corajosos como o leão. (Provérbios: 28.1) Sejam fortes e corajosos. Não tenham medo nem fiquem apavorados por causa deles, pois o Senhor, o seu Deus, vai com vocês; nunca os deixará, nunca os abandonará. (Deuteronômio: 31.6) Versículos sobre ousadia nas Cartas de Paulo: Tendo, pois, tal esperança, usamos de muita ousadia no falar. (2 Coríntios: 3.12) Grande é a ousadia da minha fala para convosco, e grande a minha jactância a respeito de vós; estou cheio de consolação; transbordo de gozo em todas as nossas tribulações. (2 Coríntios: 7.4) Rogo-vos, pois, que, quando estiver presente, não me veja obrigado a usar com confiança da ousadia que espero ter com alguns, que nos julgam, como se andássemos segundo a carne. (2 Coríntios: 10.2) Apesar de termos sido maltratados e insultados em Filipos, como vocês sabem, com a ajuda de nosso Deus tivemos coragem de anunciar-lhes o evangelho de Deus, em meio a muita luta. (1 Tessalonicenses: 2.2.) Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? (Romanos: 8.31) Estejam vigilantes, mantenham-se firmes na fé, sejam homens de coragem, sejam fortes. (1 Coríntios: 16.13) Pois Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio. (2 Timóteo: 1.7) Tendo, pois, tal esperança, usamos de muita ousadia no falar. (2 Coríntios: 3.12) Versículos sobre ousadia em Atos dos Apóstolos: Agora, pois, ó Senhor, olha para as suas ameaças, e concede aos teus servos que falem com toda a ousadia a tua palavra. (Atos: 4.29) E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam com ousadia a palavra de Deus. (Atos: 4.31) Então eles, vendo a ousadia de Pedro e João, e informados de que eram homens sem letras e indoutos, maravilharam-se e reconheceram que eles haviam estado com Jesus. (Atos: 4.13) Porque o rei, diante de quem também falo com ousadia, sabe estas coisas, pois não creio que nada disto lhe é oculto; porque isto não se fez em qualquer canto. (Atos: 26.26) Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, Continue lendo

Restrições na interpretação da Bíblia

Restrições na interpretação da Bíblia

Quem não for regenerado não pode compreender totalmente o significado da Bíblia. Quem não é salvo está cego espiritualmente (2 Co 4.4) e morto (Ef 2.1). Paulo escreveu: “Ora, o homem natural não aceita as cousas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las porque elas se discernem espiritualmente” (1 Co 2.14). Isso significa que quem não é salvo não tem condições de entender o que as Escrituras dizem? Não. Antes, significa que ele não tem a capacidade espiritual de receber e assimilar as verdades espirituais, Como disse Martinho Lutero certa vez, os irregenerados podem entender a gramática de João 3.16, mas eles não agem em decorrência dos atos ali descritos, E nesse sentido que são incapazes de conhecer as coisas do Espírito de Deus. Quem não é salvo não acolhe a verdade das Escrituras porque ela atinge em cheio sua natureza pecaminosa. O verbo grego traduzido por “aceitar”, em 1 Coríntios 2.14, é dechomai, “acolher”. Uma pessoa que não é salva, em quem o Espírito Santo não habita, pode entender mentalmente o que a Bíblia diz, mas ela rejeita a mensagem e se recusa a assimilá-la e praticá-la. Em contrapartida, lemos que os de Beréia “ … receberam [dechomai] a palavra com toda a avidez…” (At 17.11) e que os tessalonicenses receberam a Palavra “… com alegria do Espírito Santo” (1 Ts 1.6). A passagem de 1 Coríntios 2.14 também afirma que o irregenerado não entende as coisas espirituais. O verbo grego giriõskõ (“compreender”) não significa entender com o intelecto; significa compreender por experiência. Evidentemente, os irregenerados não experimentam a Palavra de Deus, porque não a acolhem. Só os regenerados têm a capacidade de acolher e experimentar as Escrituras mediante o Espírito Santo.[1] [1] Veja também Roy B. ZuCK, The Holy Spirit inyour teaching, ed. rev., Wheaton, Victor Books, 1984, p. 62-3. E preciso mais do que regeneração. Reverência e interesse por Deus e por sua Palavra também são fundamentais para a interpretação correta das Escrituras. Uma atitude de apatia ou arrogância em relação à Bíblia não colabora para o entendimento correto da verdade de Deus. As Escrituras são chamadas de santas e devem ser tratada como tal (2 Tm 3.15), Outros requisitos espirituais são o espírito de oração e a humildade. Um intérprete precisa reconhecer que, ao longo dos séculos, outros leitores da Bíblia lutaram para descobrir o sentido de muitas das mesmas passagens bíblicas e, por isso, talvez tenham adquirido conhecimentos sobre esses textos das Escrituras. Nenhum intérprete é infalível. Portanto, ele precisa admitir a possibilidade de sua interpretação de determinada passagem não estar certa. . Ao ler as Escrituras, deve haver também a disposição de obedecer-lhes, de colocar em prática o que foi aprendido na Palavra. Quando uma pessoa verifica como o Senhor atuou na vida das personagens bíblicas que lhe obedeceram ou desobedeceram e quando compreende os preceitos e as instruções bíblicas para a vida de cada um, ela deve dispor-se a seguir tais exemplos e orientações. A não-reverência pela Palavra, a Continue lendo

Versículos bíblicos para pessoas doentes

Versículos bíblicos para pessoas doentes

Eu vi os seus caminhos, mas vou curá-lo, eu o guiarei e tornarei a dar-lhe consolo. (Isaías: 57.18) Introdução: Ninguém gosta ou quer ficar doente, mas, infelizmente, faz parte do processo de vida do ser humano. Em algum momento, eu e você iremos ficar enfermos. A Palavra de Deus mostra que Jesus curou diversas pessoas e fez muitos milagres. Pois, é Ele que nos liberta das garras do pecado e nos cura de todas as doenças. Sendo assim, relacionamos alguns versículos que tratam desse tema, espero que você goste: Versículos para pessoas doentes no Antigo Testamento: É ele que perdoa todos os seus pecados e cura todas as suas doenças. (Salmos: 103.3) Cura-me, Senhor, e serei curado, salva-me e serei salvo, pois tu és aquele a quem eu louvo. (Jeremias: 17.14) Prestem culto ao Senhor, o Deus de vocês, e ele os abençoará, dando-lhes alimento e água. Tirarei a doença do meio de vocês. (Êxodo: 23.25) O espírito do homem o sustenta na doença, mas o espírito deprimido, quem o levantará? (Provérbios: 18.14) Como é feliz aquele que se interessa pelo pobre! O Senhor o livra em tempos de adversidade. (Salmos: 41.1) O Senhor o protegerá e preservará a sua vida, ele o fará feliz na terra e não o entregará ao desejo dos seus inimigos. (Salmos: 41.2) Versículos para pessoas doentes nos Evangelhos: Quando Jesus saiu do barco e viu tão grande multidão, teve compaixão deles e curou os seus doentes. (Mateus: 14.14) grande multidão dirigiu-se a ele, levando-lhe os mancos, os aleijados, os cegos, os mudos e muitos outros e os colocaram aos seus pés, e ele os curou. (Mateus: 15.30) Curem os enfermos, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios. Vocês receberam de graça; deem também de graça. (Mateus: 10.8) Chamando seus doze discípulos, deu-lhes autoridade para expulsar espíritos imundos e curar todas as doenças e enfermidades. (Mateus: 10.1) Ao anoitecer foram trazidos a ele muitos endemoninhados, e ele expulsou os espíritos com uma palavra e curou todos os doentes. (Mateus: 8.16) E assim se cumpriu o que fora dito pelo profeta Isaías: “Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças”. (Mateus: 8.17) Versículos para sobre o tema nas Cartas de Paulo Para impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza dessas revelações, foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para me atormentar. (2 Coríntios: 12.7) Três vezes roguei ao Senhor que o tirasse de mim. (2 Coríntios: 12.8) Mas ele me disse: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim. (2 Coríntios: 12.9) Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte. (2 Coríntios: 12.10) Versículos para pessoas doentes nas Cartas Gerais: Entre vocês há alguém que está doente? Que ele mande chamar Continue lendo

O valor da arqueologia para a Bíblia

O valor da arqueologia para a Bíblia

A arqueologia, com relação à Bíblia, presta-se a confirmar, corrigir, esclarecer e complementar a mensagem teológica contida no texto sagrado. Uma vez que a Palavra foi anunciada à humanidade em lugares e tempos específicos, torna-se necessário compreendermos o contexto histórico, cultural e religioso de seus destinatários. E, quanto mais claramente percebermos o significado original da mensagem, conforme comunicada ao mundo antigo, tanto melhor poderemos aplicar suas verdades eternas às nossas vidas, no mundo moderno. A arqueologia ajuda-nos a entender esse contexto, de modo que a verdade teológica não seja mal interpretada ou aplicada indevidamente. O professor Amihai Mazar, diretor da Universidade Hebraica no Instituto de Arqueologia de Jerusalém, declara-nos esse propósito: Penso que a coisa mais importante que temos de entender é que a arqueologia é a nossa única fonte de informação vinda diretamente do período bíblico […] A arqueologia pode trazer-nos a informação do período exato em que as coisas aconteceram […] um quadro completo da vida diária nesse período, bem como as inscrições […] que são a única evidência escrita que temos do período bíblico, afora a própria Bíblia. Confirmando a Bíblia De acordo com o Websters’ English Dictionary, confirmar é “dar nova certeza da validade” de alguma coisa. A arqueologia faz emergir das pedras uma nova certeza a respeito da Bíblia, que vem agregar-se à convicção de que já possuímos pelo Espírito. Seu valor é apologético, o qual desde o início da ciência arqueológica contribuiu tanto para instigar quanto para patrocinar as escavações. Apesar do recente distanciamento, nos círculos arqueológicos, das qualidades confirmatórias inerentes às evidências extraídas da terra, a maioria dos eruditos ainda atesta a significativa concordância entre as pedras e as Escrituras. Por exemplo, Amihai Mazar, apesar de avesso ao uso da arqueologia para legitimar a Bíblia, ainda assim admite ser possível corroborar a Bíblia com as descobertas arqueológicas: Em certos casos, podemos até lançar luz sobre certos eventos ou mesmo sobre certas construções como as que são mencionadas na Bíblia. Podemos enumerar muitos assuntos como esse onde a relação entre os achados arqueológicos e a narrativa bíblica pode ser estabelecida. Quanto mais recuamos no tempo, mais problemas [encontramos] e as questões são mais difíceis de responder. Nos períodos mais recentes [o tempo da monarquia], as coisas tornam-se mais seguras e melhor estabelecidas. Apesar de ser verdadeiro que a maior parte das evidências disponíveis abrangem épocas mais recentes da história israelita, as descobertas relativas a esses períodos refletem às vezes tempos mais antigos. Por exemplo, Gabriel Barkay descobriu em 1979, numa tumba no vale de Hinom, em Jerusalém, pequenos rolos de prata contendo um texto do Pentateuco — a bênção de Arão (Nm 6.24-26), datados de antes do exílio de Judá. O achado criou um problema para os eruditos que defendiam a autoria do Pentateuco como sendo de sacerdotes de época posterior ao exílio. Como resultado, suas teorias deverão ser abandonadas ou reformuladas. As confirmações da arqueologia à narrativa bíblica não se restringem à história. Elas demonstram também a singularidade da Bíblia, com sua teologia, quando Continue lendo

Versículos bíblicos sobre fofoca

Versículos bíblicos sobre fofoca

Quem guarda a sua boca guarda a sua vida, mas quem fala demais acaba se arruinando. (Provérbios: 13.3) Introdução: Fazer fofoca é levar alguma informação de uma pessoa para outra. E muitas vezes, essas informações possuem cunho pejorativo, expondo as pessoas a situações desagradáveis. É lógico que se trata de um comportamento condenado por Deus. Porém, infelizmente, muitos cristãos fazem isso e de forma contumaz. Não é preciso que se diga que fofoca é um pecado, porém, apesar disso, há pessoas que fazem isso o tempo todo. Esse tipo de atitude provoca muita contenda entre as pessoas, pois ninguém gosta de ver o seu nome ser levado e trazido pelos fofoqueiros. Sendo assim, relacionamos alguns versículos que tratam do tema e que mostram como a Palavra de Deus condena esse comportamento. Versículos de fofoca no Antigo Testamento: Com a boca o ímpio pretende destruir o próximo, mas pelo seu conhecimento o justo se livra. (Provérbios: 11.9) Quem esconde o ódio tem lábios mentirosos, e quem espalha calúnia é tolo. (Provérbios: 10.18) Quem muito fala trai a confidência, mas quem merece confiança guarda o segredo. (Provérbios: 11.13) Aquele que é íntegro em sua conduta e pratica o que é justo, que de coração fala a verdade. (Salmos: 15.2) E não usa a língua para difamar, que nenhum mal faz ao seu semelhante e não lança calúnia contra o seu próximo. (Salmos: 15.3) O homem perverso provoca dissensão, e o que espalha boatos afasta bons amigos. (Provérbios: 16.28) Guarde a sua língua do mal e os seus lábios da falsidade. (Salmos: 34.13) Sem lenha a fogueira se apaga, sem o caluniador morre a contenda. (Provérbios: 26.20) Não faça declarações falsas e não seja cúmplice do ímpio, sendo-lhe testemunha mal-intencionada. (Êxodo: 23.1) Versículos de fofoca nas Cartas de Paulo: Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. (Efésios: 4.29) Portanto, você, que julga, os outros é indesculpável, pois está condenando a si mesmo naquilo em que julga, visto que você, que julga, pratica as mesmas coisas. (Romanos: 2.1) Evite as conversas inúteis e profanas, pois os que se dão a isso prosseguem cada vez mais para a impiedade. (2 Timóteo: 2.16) Esforcem-se para ter uma vida tranquila, cuidar dos seus próprios negócios e trabalhar com as próprias mãos, como nós os instruímos. (1 Tessalonicenses: 4.11) Versículos de fofoca nas Cartas Gerais: Se alguém se considera religioso, mas não refreia a sua língua, engana-se a si mesmo. Sua religião não tem valor algum! (Tiago: 1.26) Fonte: palavra fiel.

O papel da crítica textual na correção de erros de transmissão

O papel da crítica textual na correção de erros de transmissão

No comentário anterior referimo-nos várias vezes ao papel desempenhado pela crítica textual quanto aos erros de copistas na transmissão do texto bíblico. Para que o leitor possa compreender um pouco da metodologia seguida pelos especialistas na análise desses desvios, os quais aparecem mesmo nos manuscritos mais antigos e nos melhores documentos, daremos as linhas mestras a serem seguidas para a solução desses problemas. O procedimento-padrão quanto aos erros de transmissão aplica-se a todos os documentos antigos, tanto sagrados quanto seculares. Fique claro, porém, que certos elementos relacionam-se às línguas bíblicas. Incluímos nesses casos o formato das letras hebraicas e o modo como evoluíram desde o período mais remoto até os tempos mais recentes, com a introdução de letras vocálicas (i.e., consoantes que indicavam sons vocálicos ou sua duração nas palavras). No caso do NT, composto numa língua que usava caracteres vocálicos ao lado de consoantes (grego coiné), as mudanças no formato das letras também davam ensejo a erros de cópia ao longo das várias gerações de copistas. Tipos de erros de transmissão Certos tipos de erros são susceptíveis de surgir quando se copia um documento original qualquer (Vorlage). Estamos todos sujeitos a substituir uma palavra homófona por outra; i.e., “cozer” por “coser” ou “massa” por “maça”. Em português, temos vários sons que podem ser escritos de diferentes maneiras, resultando em palavras diferentes: “haja” e “aja”, “haver” e “a ver”, “passo” e “paço”. Esse problema não era tão grave no hebraico antigo, nem no grego, mas existem grafias erradas até nos manuscritos mais antigos dos livros bíblicos, em grande parte por causa da semelhança de sons. Um dos erros mais comuns envolve a palavra lō. Se for escrita assim: l-’ (lamedh-aleph), temos o advérbio de negação “não”. Se, porém, for escrita assim: l-w (lamedh-waw), significa “a ele” ou “para ele”. Em geral, o contexto indica com clareza qual é o lō que se tem em vista. Todavia, às vezes tanto “não” como “a ele” seriam possíveis, e isso resulta em alguma confusão. Um bom exemplo de confusão com a palavra lō encontra-se em Isaías 9.2 (9.3 no texto em português). O TM traz l-‘, o que significa “não”. A Versão atualizada de Almeida, na sua segunda edição, traz: “Tens multiplicado este povo, a alegria lhe aumentaste; alegram-se eles diante de ti, como se alegram na ceifa…”. A Versão autorizada, do rei Tiago, traz: “Tens multiplicado este povo, e [em itálico] não lhe aumentaste a alegria; alegram-se diante de ti segundo a alegria da colheita”. O tradutor entendeu que aquele l-’ era “não” em vez de “lhe”, i.e.”para ele”, “para o povo”. Mas essa tradução introduz uma estranha inversão no pensamento: Deus aumentou o povo, no entanto, não lhe aumentou a alegria; ainda assim, alegram-se como os que se reúnem numa grande colheita. Mas até mesmo os copistas judeus massoréticos perceberam que havia aqui um lapso involuntário na escrita, pelo que colocaram na margem a grafia correta l-w. Portanto, o texto correto é o que aparece na Atualizada. A Versão siríaca Peshita Continue lendo